ONDE ESTÁ DEUS?

 

Onde está Deus? Pergunta o cientista,

Ninguém O viu jamais. Quem Ele é?

Responde às pressas o materialista:

Deus é somente uma invenção da fé!

 

O pensador dirá, sensatamente:

- Não vejo Deus, mas sinto que Ele existe! A

 natureza mostra claramente

Em que o poder do Criador consiste.

 

Mas o poeta dirá, com segurança

De quem afirma porque tem certeza:

- Eu vejo Deus no riso da criança,

No céu, no mar, na luz da natureza!

 

Contemplo Deus brilhando nas estrelas

No olhar das mães fitando os filhos seus,

Nas noites de luar claras e belas,

Que em tudo pulsar o coração de Deus!

 

Eu vejo Deus nas flores e nos prados,

Nos astros a rolar pelo infinito,

Escuto Deus na voz dos namorados,

E sinto Deus na lágrima do aflito!

 

Percebo Deus na frase que perdoa,

Contemplo Deus na mão que acaricia,

Escuto Deus na criatura boa

E sinto Deus na paz e na alegria!

 

Eu vejo Deus no médico salvando,

Pressinto Deus na dor que nos irmana,

Descubro Deus no sábio procurando

Compreender a natureza humana!

 

Eu vejo Deus no gesto de bondade,

Escuto Deus nos cânticos do crente,

Percebo Deus no sol, na liberdade

E vejo Deus na planta e na semente!

 

Eu vejo Deus, enfim, por toda parte,

Que tudo fala dos poderes seus,

Descubro Deus na expressão da arte,

 No amor dos homens também sinto Deus!

 

Mas onde sinto Deus com mais beleza,

 Na sua mais sublime vibração,

Não é no coração da natureza,

 É dentro do meu próprio coração.

 

(Dr. Agnaldo Bahia Monteiro)


 
 
 

Onde Estás Deus, Que não respondes?

 

 

Assim, o poeta Castro Alves inicia seu poema Vozes da África. É o lamento do Continente Africano, vendo seus filhos serem levados como animais ao mercado de escravos.

"Deus! Ó Deus! Onde estás que não respondes!

Em que mundo, em qual estrela Tu Te escondes

Embuçado nos céus?

Há dois mil anos Te mandei meu grito,

Que embalde, desde então, corre o infinito...

Onde estás, senhor Deus?"

À semelhança dos versos do poeta, muitas vozes se ergueram quando aconteceu o 11 de setembro de 2001, para indagar onde estava Deus naquele momento.

Por que permitiu que mais de duas mil vidas fossem destroçadas naquela manhã?

Por quê?

Poder-se-ia perguntar ainda onde estava Deus quando fomentamos a Primeira e a Segunda Guerra Mundial.

Quando eliminamos seis milhões de judeus, em nome de uma inexistente superioridade ariana.

E quando empreendemos as cruzadas, levando a morte àqueles que qualificávamos como infiéis?

E durante a Inquisição de tanta barbárie?

E todos os dias, onde está Deus?

Onde está Deus quando enganamos nosso irmão? Quando mentimos para conseguir favores que desejamos?

Quando desonramos o lar, com o adultério? Quando eliminamos a vida no ventre materno, porque não desejamos o ser em gestação?

Onde está Deus quando deixamos nossos filhos à matrona, sem orientação, porque preferimos a acomodação?

Onde está Deus quando, utilizando o poder que o mundo nos confere, ferimos pessoas, destruímos a honra de outras vidas?

Onde está Deus quando levantamos as bandeiras da pena de morte ao nosso irmão? Ou da eutanásia?

Para todas as perguntas, a resposta é a mesma: Deus está dentro de nós, dentro de cada criatura.

Soberanamente sábio, criou-nos a todos iguais,

partindo de um mesmo ponto de simplicidade e ignorância.

Criou os mundos para que neles trabalhássemos, utilizássemos nossas forças e crescêssemos em intelecto e moral.

A ninguém concedeu privilégios.

A todos concedeu o livre-arbítrio, com a consequente Lei de Causa e Efeito.

Estabeleceu que a cada um será dado conforme as suas obras e que todos deverão chegar ao mesmo destino, não importa quanto demore: a perfeição.

Ele nos permite a livre semeadura, mas estabelece que a colheita seja obrigatória.

Por isso, uns semeiam ventos e colhem tempestades. Outros lançam ao solo as sementes da bondade, do bem e alcançam felicidade.

Uns estão semeando hoje. Outros tantos estão realizando a colheita das bênçãos

ou das desgraças que se permitiram semear.

Conhecedor das fragilidades de Seus filhos, aguarda que cada um desperte, a seu tempo, cansado das dores que para si mesmo conseguiu.

Portanto, não indague onde está Deus, quando você contemple a injustiça. Trabalhe pela justiça.

Não pergunte onde está Deus, quando observe a violência. Semeie a paz.

Não questione onde está Deus quando a miséria campeia.

Utilize seus recursos para semear riquezas.

Enfim, onde quer que você esteja, lembre que Deus está em você e com você. E espera que você seja o Seu mensageiro de bênçãos, onde se encontre.

Pense nisso. Pense agora e comece a demonstrar ao mundo o Deus que existe em sua intimidade.

 

Autor:

Texto da Redação do Momento Espírita