TERMINEI DE LER MEU LIVRO A FERRO E FLORES
DE LYGIA BARBIERI AMARAL
TEMA: ALCOOLISMO E OUTROS TEMAS
 
EXCELENTE, RECOMENDO
 
650 PAGINAS DE MUITO APRENDIZADO
 
 
LIÇÃO QUE TIREI: TODAS POSSÍVEIS
 
 
MAS FOI CITADO O JERÔNIMO MENDONÇA E EU RESOLVI PESQUISAR
PRA MOSTRAR A VOCÊS UM POUCO DESSA HISTORIA
 
VOCÊ TEM PROBLEMAS???
ACHA SUA VIDA VAZIA?
PENSA AS VEZES QUE NADA TEM SENTIDO???
ESTÁ NERVOSO? DEPRESSIVO? CARENTE?
 
ENTÃO PRECISA CONHECER ESSA HISTORIA
 
 
_________________
 
 
 
VAMOS CONHECER UM POUCO DESSA HISTORIA?
 
 
 
 

JERÔNIMO MENDONÇA

 

“O Gigante Deitado”

Síntese biográfica.

 

 

Data de Nascimento: 1º. de novembro de 1939

 

Nome de registro: Jerônimo Mendonça Ribeiro

 

Data da desencarnação: 26 de novembro de 1989

 

Estado Civil: Solteiro

 

Local de Nascimento: Ituiutaba - Minas Gerais

 

Local da desencarnação: Ituiutaba - Minas Gerais

 

Filiação

 

Pai: Altino Mendonça

Mãe: Antonia Olímpia de Jesus

 

Algumas curiosidades

 

       Fundou o Lar Espírita “Pouso do Amanhecer” obra destinada ao amparo de órfãos, em Ituiutaba.  Após 50 anos de profícua existência, desencarnou o “O Gigante Deitado”, apelido dado por seus amigos e pela imprensa, e é o titulo do livro compilado por Jane Martins Vilela. Dele extraímos o seguinte e expressivo texto: “Imagine o leitor, um homem totalmente paralítico, num leito há mais de 30 anos, sem mover o pescoço, cego há vinte anos, com terríveis dores no peito, necessitando do peso de quilos de areia para suportar essas dores! Esse homem resignado e sereno viajou pelo Brasil a fora proferindo palestras, cantando, consolando e orientando centenas de pessoas”.

 

       Jerônimo foi vítima de artrite reumatóide aos 17 anos. Aos poucos, perdeu os movimentos físicos, terminando por ficar completamente imobilizado até a morte. Quando encarnado, foi colaborador de O ESPÍRITA. Nesta singela lembrança, transcrevemos sua mensagem escrita naquela ocasião para o n° XIII, de dezembro/janeiro de 80/81.

 

 

 

O gigante deitado
 
..
 

                      

“Sua vida foi um hino de amor ao bem.

Incansável na Seara de Jesus

Ele era todo luz!

A sua cama era a sua cruz

E a dor intensa, a sua companheira,

Mas em Jesus ele encontrou

O melhor exemplo que seguiu a vida inteira.

Nenhuma queixa dele se ouviu

Resignado sempre até quando partiu”

 

In poema-canção “Tributo a Jerônimo Mendonça”, de Izaias Claro

 

“Paciência é a ciência da paz”

 

                           (Jerônimo Mendonça)

 

 

Certa ocasião, assistindo a uma palestra do Clayton Levy, no Centro Espírita “André Luiz”, aqui em São José do Rio Pardo, em determinado momento ele narrou algumas passagens da vida de Jerônimo Mendonça. Eu não sabia quase nada a seu respeito e tinha muita curiosidade em conhecer, então resolvi fazer uma pesquisa. Colocarei a bibliografia no final deste artigo.

Jerônimo foi uma pessoa que vivenciou, pôs em prática os ensinamentos do Divino Rabi da Galiléia. Podemos dizer que ele vivenciou, deveras, o Evangelho, foi um exemplo vivo de coragem, resignação e otimismo.

Jerônimo Mendonça Ribeiro nasceu em Ituiutaba, MG, no dia primeiro de novembro de 1939. A sua infância foi a de uma criança normal. Frequentou escola até o início do antigo ginasial.

Seus pais eram muito pobres, analfabetos, lutavam arduamente pela sobrevivência: a mãe lavando roupa para fora e o pai fazendo “bicos” pelas fazendas.

Já na puberdade, Jerônimo começou a sentir dores nas articulações, especialmente nos joelhos e tornozelos. Esses pontos de seu corpo passaram a “inchar” e já aos dezoito anos andava com dificuldade.

Teve vários empregos, porém as dores agravaram, não lhe deram tréguas e o impediram de permanecer por muito tempo num mesmo trabalho. Era sempre obrigado a se afastar. Foi ele balconista, entregador de jornal, redator-chefe de uma revista e professor.

Seu passatempo preferido era o cinema, era fascinado pelo Tarzan, sendo este o seu apelido. Quando adolescente, frequentou uma Igreja Presbiteriana.

Era um membro ativo, dava palestras.

Após a desencarnação de sua avó, começou a se debater mentalmente no problema cruciante da morte e do destino da alma. A amizade com espírita fê-lo converter-se à doutrina espírita. O amigo esclareceu-lhe as dúvidas da vida além-túmulo e conseguiu acalmá-lo.

Enquanto sua saúde lhe permitiu, participou ativamente das excursões com os jovens de uma Mocidade Espiritista.

Certo dia foi ao cinema assistir “... E o Vento Levou”, mas não havia nenhuma poltrona vazia. Jerônimo ficou o tempo todo em pé no fundo da sala e ao terminar o filme estava petrificado, com grande vibração de dor nos membros inferiores. Foi aí que começou a jornada dolorosa e difícil da paralisia, como ele mesmo conta em sua autobiografia. Passou três meses deitado, plenamente impossibilitado de se locomover. Depois usou muletas por algum tempo enquanto ia lecionar.

Porém, acabou mesmo tendo que ficar numa cama ortopédica, acometido de artrite reumatóide progressiva. Permaneceu assim cerca de trinta e dois anos preso ao leito, paralítico e com a agravante perda da visão. Quase não dormia, aproveitou para estudar bastante o Espiritismo. Quando ficou cego, amigos liam para ele. Nunca faltaram-lhe bons amigos.

Jerônimo tornou-se orador espírita. Podemos dizer que ele conseguiu transformar seu leito numa tribuna ambulante (deu palestras pelo Brasil todo) e por meio dela conseguiu realizar um grande e valioso trabalho.

Fundou em Ituiutaba a creche “Pouso do Amanhecer” e ainda Centros, Lares e Comunidades Espíritas e também uma gráfica, estas em outras localidades.

Escreveu seis livros, entre romances e livros de poesias: “Crespúsculo de Um Coração”, “Cadeira de Rodas”, “Nas Pegadas de Um Anjo”, “Escalada de Luz”, “De Mãos Dadas com Jesus” e “Quatorze Anos Depois” (em co-autoria). Deixou um esboço autobiográfico, infelizmente inacabado.

Jerônimo foi, realmente, um gigante. E pensar que ficou totalmente paralítico, sem poder mover nem mesmo o pescoço, cego durante vinte anos, com dores no corpo, dores terríveis no peito, necessitando de quilos de peso de areia para suportar a dor, tomando um determinado remédio várias vezes por dia e, ainda assim, leitores amigos, sempre sereno e resignado!

Quem o conheceu afirma que ele estava sempre rindo, gostava de um bom papo e de cantar também.

Certa vez, o Dr. Fritz disse-lhe que ele tinha a doença de três cês – cama, carma e calma.

Os amigos sempre levavam Jerônimo ao cinema e também a outros lugares para se distrair. Estando, certa ocasião, justamente num cinema, uma moça tropeçou em sua cama e “explodiu”: “Mas não é possível! Aonde eu vou, está o aleijado! Vou a uma festa, o aleijado lá! Esse aleijado me persegue! Aonde eu vou ele está!” Jerônimo pensou consigo: “E agora?! A moça está revoltada, nervosa mesmo. Tenho que lhe dar uma resposta, mas não quero irritá-la mais ainda. O que dizer?” E saiu com essa: “Mas também, minha filha, você não pára em casa, hein!”

Ela olhou-o atônita e começou a rir. Riram juntos. Ficaram amigos.

Assim era o Jerônimo, sempre alegre, espirituoso, seu lema era

“Não perder a calma jamais”.

Duas pessoas que ficaram grandes amigas suas foram o Chico Xavier e o cantor Roberto Carlos.

O ”Gigante deitado” deu muitas entrevistas, inclusive na TV, também recebia muitas visitas, até de estrangeiros. Muita gente lhe pedia conselhos.

Certa vez, um repórter lhe perguntou o que é a felicidade. Ele respondeu assim: “A felicidade, para mim, deitado há tanto tempo nesta cama sem poder me mexer, seria poder virar de lado”.

Em outra ocasião, ele disse: “Casei-me com a Doutrina Espírita no civil e com a dor no religioso”.

Jerônimo Mendonça desencarnou no dia 26 de novembro de 1989, depois de ter completado meio século de vida. Quase toda ela num leito de dor e, vamos dizer assim, dor e também trabalho. Dizem os experts que não havia explicação científica plausível para o fato de estar ainda encarnado. Com o agravamento da doença, seu corpo não oferecia mais as mínimas condições de vida. Seu pulso, seus batimentos cardíacos, por exemplo, em momentos de crise, não eram mais registrados pelos instrumentos da medicina, tal a sua fragilidade.

E pensar que ele nunca parou de viajar, trabalhar, agir.

Nesta parte final do artigo, quero colocar algumas palavras de Jerônimo: “Ante a sublime verdade do Espiritismo cristão, vejo e sinto que realmente a nossa vida na Terra não passa de curto aprendizado ante o infinito da vida neste Universo imenso!”

“Nesta batalha (contra a doença) é preciso lutar e vencer, jamais dr vencido. Enquanto me ferem os grilhões, liberto-me do homem velho que fui, antevendo horizontes inatingidos... Onde a mestra dor dar-me-á a alforria merecida”.

“A enfermidade tem o seu curso educativo. Mas é mister saber sofrer, extraindo da dor o remédio positivo para combater as enfermidades de ordem perispiritual. Abandonemos toda vaidade, antes que a vaidade nos abandone”.

Quem conheceu Jerônimo (há depoimentos no livro “O Gigante Deitado”, afirma que o propósito de sua vida era ouvir, ajudar e falar do Evangelho, aliviando as dores alheias. Vejam só!!!

O livro “Jerônimo Mendonça: Sua Vida e Sua Obra”, mostra-nos quem ele foi em algumas encarnações passadas. Em uma delas foi o príncipe egípcio Horemseb, homem misterioros, cruel, envolto em bruxaria, que matou muita gente. Fascinava as mulheres que se apaixonavam loucamente por ele, utilizando uma rosa enfeitiçada. Posteriormente, reencarnado como o também egípcio Cambises, praticou crimes hediondos contra seus inimigos, servos e a própria família. Como Rei Luís da Baviera (há um filme de Luchino Visconti sobre ele, intitulado “Ludwig”) não progrediu, mergulhou na ociosidade, podemos dizer que sucumbiu em orgias e devassidão. Luís acabou ficando louco. Esse passado triste do Jerônimo como o príncipe Horemseb nós podemos encontrar na obra “Romance de Uma Rainha” (dois volumes), do Conde J.W. Rochester.

Para finalizar, diria que a resignação ante a dor é uma virtude que poucos já conquistaram. Jerônimo, cuja companhia de quase todos os dias de sua vida foi a dor, foi também um grande modelo de resignação. Aprendeu a sofrer com paciência.

Aprendamos com ele. É um modelo a ser seguido, foi um espírito de extraordinária coragem para aceitar uma prova tão rude.

E venceu, como ele mesmo disse em uma mensagem mediúnica enviada algum tempo após a sua desencarnação: “Sou um pássaro livre”.

 

BIBLIOGRAFIA

 

Maluf, Maria Gertrudes Coelho, Jerônimo Mendonça: Sua Vida e Sua Obra, 2ª edição, Criativa Serviços e Publicidades Ltda, Uberlândia, MG, 1992.

Vilela, Jane Martins, O Gigante Deitado, 1ª edição, Casa Editora O Clarim, Matão, SP, 1994.

 

 

AVISO

 

      

       Tenha o máximo cuidado para não agir sem antes pensar muito, entendendo, enfim, que não existe plantio sem o resultado da colheita certa.

       Vigie a sua língua, compreendendo que a sua palavra tanto pode construir ou destruir, conforme a sua essência. Observe o que fazem as suas mãos. Não basta que elas estejam perfumadas.

Urge saber o que você está fazendo de bom com elas.

       Não utilize o sexo sem antes saber como, com quem e para que. No campo dos sentimentos recordemos que todos nós estamos na presença de Jesus.

       Faça o bem ainda agora. Talvez amanhã você já será um cidadão do outro mundo.

       É verdade que a morte não existe, mas cada um, aqui ou mais além, receberá de acordo com as suas obras.