ÊXTASE!

Theca Angel



Tentação indecente...
Calor evoluindo, inclemente,
queimando as entranhas...
Uma sandice...envolvente!

A princípio, mãos tateando...
Olhos expressando delícias...
lentamente os abraços e afagos
arrebatando à paixão em carícias!

Nada senão os corpos suados
cinta...camisa..uma calça perdida
no chão...Roupas íntimas, jogadas...
Da blusa esquecido...um botão...

Não há mais tempo de fuga.
Já sobe o desejo explodindo
Entorpecendo num repente...
Agiganta-se a volúpia na mente!

Reagem instantâneos os corpos...
Vertigens, .... loucas algozes...
Uma boca, outra boca explorando
em beijos cada vez mais vorazes!

Brasas machucando...queimando ferozes.
Amor misturado à pecado...
Colinas, desertos descobertos...
Gruta tépida...molhada...

Cresce (o poder), avoluma-se com toques
Buscando o precioso deleite
Unem-se nectar e leite...
Entre dores e orgasmos atrozes...

Ventre doendo em espasmos
exigências sem cessar... desejando
repetidos, contínuos atos...
Ao gozo supremo cedendo...

Na inundação esperada
cedem as frágeis amarras!
Gosto supremo...
Em mútuo segredo guardado...

 



NOITE...QUEM DERA...

Theca Angel



Quem dera meu amor
A noite chegando, trouxesse
Um pouco que fosse de teu perfume
Uma centelha de teu olhar
O som inebriante de teus sussurros
A ilusão de teu toque em minha pele...
Quem dera ela tudo isso substituísse...
E trouxesse você no embalo de sua luz...
Te fizesse presente em mim
Com a volúpia de teu ardor...
Quem dera fosse realidade
E não uma projeção desta saudade
Vem...olha-me, toca-me...
Fala aos meus ouvidos
E num mirar translúcido, nítido...
Toma-me entre teus braços
Enlaça-me e...
Me faça feliz outra vez!...

 

 



O QUE É O AMOR...

Theca Angel


Qual é para ti o significado do amor?
O transcurso da vida, a supor
que os olhos se voltem numa só direção...
Que de ternura se encha o coração?

O que pode significar amar?
Noites ensandecidas bebendo o luar
Vendo-o levar um colar de estrelas
Em seu rastro faiscando sobre o mar?

Seria este o significado de amar?
Uma ilusão à alma desencaminhar...
Fagulhas explodindo incessantes no ar
Um doce arfar? Um suspirar?

Ou seria simplesmente acreditar
Que a este sentimento nada detém?
Seria ver, ouvir, agasalhar esse sentir
Que nada, no peito, poderia extinguir?

Amar é névoa, nuvem, luz, sol...
Força da natureza cantando o arrebol
Porque essa energia partiu de mim
Por mundos, buscando-te sem fim...

Amar é compreender o amor ainda
que ele se fixe à alma, por um fio...
É nada poder reter, ou segurar
a sensação de sobre um vazio pairar!

Assim te sinto, sobre mim luzindo
e o amor sublime desencadeando...
Possui ele, beleza do céu, das flores...
Trazendo em si seus perfumes e cores!

Descubra em ti o que seja o amor
Esta sensação de queimar-nos o ardor...
Sente, vibra, doando tua alma ora vazia,
a quem, para ti, é a própria poesia!

Se não crês que eu saiba o que é amar
Então não viveste a sensação arredia
de que um dia tudo possa terminar,
quando a morte vier tal megera vadia!

Ela desfaz todos os encantamentos
É mais forte que nossas pobres energias
Tudo ela leva consigo quando chega
Deixando a saudade que se aconchega!