POEMA INACABADO

                                       Rose Mori

 

Ah, manhã que desperta preguiçosa,

ainda envolta nos braços da madrugada!

Te cobre a neblina,

como um lençol de fina  gaze,

do qual te libertas languidamente...

Penso que neste momento

adentras as frestas da janela

do quarto,

onde jaz adormecido o meu amado

e em seus lábios depositas o beijo

que não lhe posso dar...

Teus braços alcançam o corpo inerte

cobrindo-o de carícias voluptuosas...

Ah, como eu quisera

que ao invés dos teus,

manhã,

fossem meus os dedos que tocam

a pele morena,

despertando os sentidos para o amor.

Quisera que seus olhos ao se  abrirem

encontrassem os meus

inundados de ternura

contemplando seu despertar...

No entanto, apenas escrevo

este poema inacabado,

não por falta de amor;

não por falta de inspiração,

mas porque  tenho pressa

de  pegar carona

em tuas asas,

manhã que nasce cheia de luz,

antes que as nuvens,

num acesso de ciúmes,

encubram o sol

que te ilumina e aquece.

e te tornes novamente

cinzenta e triste,

te tornes apenas

mais uma manhã comum

como tantas outras

que acontecem em minha vida.

 

                                        06/06/2005

 

 

 

A ALMA EU CONHEÇO

                                Rose Mori

 

Quisera neste momento

estar ao seu lado,

Olhar em seus olhos

e neles ver refletido

o brilho que vem de sua alma.

Porque a alma eu conheço,

mas os olhos não.

Quisera tocar seu rosto

e delinear com os dedos

os traços que marcam  seu semblante,

contornar a linha de seus lábios

e gravar

 no toque de minhas mãos

o calor emanado de sua pele.

Porque a alma eu conheço,

mas a textura da pele  não...

Quisera sentir seus braços

ao redor de meu corpo,

me aconchegando junto a si

como se a me proteger do mundo

e de mim mesma.

Quisera que esse abraço perdurasse,

e que não fosse mais preciso fugir

dos sentimentos que brotam no peito

e enraízam na alma.

Porque a alma eu conheço,

mas o  abraço não...

Quisera despertar pela manhã,

ainda aninhada em seu peito,

e me sentir livre,

me sentir mulher,

com toda a força  da palavra.

Quisera...

Quisera  muito mesmo

que tudo não fosse um sonho

Porque a alma eu conheço,

Mas seus sonhos não...

Não me despertem!

Deixem-me continuar vagando

 por este desconhecido mundo

onde tudo pode acontecer,

até mesmo a felicidade!

Porque a alma eu conheço,

Mas a felicidade não.

                                                                                                                                                                                                     12/02/2005

 

 

 

ATREVIMENTO

                            Rose Mori

 

E ele foi chegando...

com um olhar de menino

pedindo carinho...

Aproveitou que a porta,

por um descuido meu,

estava entreaberta e foi entrando

Sorrateiro...

Silencioso...

Traiçoeiro...

E se instalou, comodamente,

como se tudo ali lhe pertencesse.

Tomou posse e ficou

sem licença para ficar.

E nada pude fazer...

nada quis fazer...

Era tão bom ter alguém ali

depois de tanto tempo só.

Entrou derrubando tudo:

minhas barreiras, minhas reservas,

meus pudores,

meus valores,

meu senso e contra-senso

Desarrumou tudo por mero capricho

e modificou de tal forma

que não me encontro mais...

E, pior,

está saindo agora

deixando toda a bagunça pra trás!

 

Iguape, 2005

 

 

 Tutorial Mara Pontes

Feito por mim SuelyDam