OLHEI-ME
Orlando Caetano

Olhei-me
e vi um mar encapelado.
Vi o medo
o medo de afundar-me
nos fundos
infindáveis.

Olhei-me
e senti o peso da cidade
desse betão armado
que me esmaga
na solidão
dos artifícios
e nas teias
da massificação.

E perco a identidade.
E sou um factor numérico
se tanto.
 



RETRATISTA
Orlando Caetano


Não sou poeta de nada.
Escrevo aos soluços
ao toque da caixa alta
que os pensamentos arrasta
e ao compasso tão confuso
dum coração enfartado
por sentimentos agudos.
Tudo à mistura nas franjas
das absorvências diárias.

Sou retratista à minuta
nas horas vagas.
Desfoco tudo
e vou de porta em porta
vendendo sonhos.

 

 

SOZINHO
Orlando Caetano

Desfiz e fiz a cama
deitei-me em cima dela,
tentei dormir
esquecer
mas foi em vão.

Ergui-me resoluto,
saí batendo a porta
mas encontrei a tua sombra
barrando-me o caminho.

Voltei.
Desfiz e fiz a cama
deitei-me em cima dela
voltei-me
revoltei-me
e já desesperado
abri os braços
e apertei com força contra o peito
aquele imenso espaço vazio
que deixaste ao deixar-me
sozinho no meu leito.
 

 

 

Tube Luz Cristina e Eu