...E pela vida mudei
Mercília Rodrigues
 
 
Foram tantas as dores,
tantos foram os dissabores
que tive que escolher
entre o viver ou morrer...
Quis entender as diferenças.
Apeguei-me em minhas crenças
pois optei por viver...
Sequei as lágrimas vertidas,
virei a página vivida
e por outros caminhos andei.
De roupa por dentro, troquei!
Vesti-me de sentimento,
esqueci dos vãos lamentos
e  mudos olhares entendi.
Havia, em muitas  portas,
criaturas quase mortas
e com elas também aprendi!
Enxuguei o pranto incontido
do irmão, do filho, do amigo
estendendo a mão que abriga,
limpando, da alma, as feridas.
Esqueci-me do meu torvelinho,
 carregado pelo caminho
e com esperança sonhei !
O mundo não mudaria
senão pelo que o homem sofria,
então pela vida eu mudei !
 
 
 
 
ENQUANTO...
Mercília Rodrigues
 
Na inocência a verdade nua
e a inebriante mágica criança!
Idos da autêntica querência,
e o anjo, presente se insinua...
 
 Terão os anjos cor?
Qual a canção que entoam?
Têm asas, mesclam-se, voam
o anjo, a criança e a flor...
 
Pára o mundo há perfeição,
na infante realeza cristalina,
gesto natural do coração,
numa profundeza menina!
 
Serão querubins azuis ou não?
 De que vale isso? É pureza!
Enquanto há o ar de ternura,
 perdura no mundo a beleza!
 
 
 
 
Moço!

Mercília Rodrigues

Ô moço! Que cara é esta ?
Que peso está carregando !
Traz estampada na testa
tristeza que anda levando !

Deixa no chão a bagagem ,
olha por esta estrada
verá que nesta viagem
você venceu a empreitada !

Moço, há verde a sua volta.
As nuvens dançam meninas...
a folha leve se solta
sem peso pelas campinas.

No azul do céu moram sonhos,
nos mares mistérios tantos !
Largue a tristeza, eu proponho
Enxerga, moço, os encantos!

 
merciliarodriguesmarques@gmail.com