À TI ...

À ti devo esses versos que componho,
porque em ti vejo um poema...
À ti devo os meus dourados sonhos,
pois resume-se em ti a paixão extrema...

À ti devo os belos sons das fontes,
que na saudade ouço a murmurar...
Em ti, os meus felizes horizontes,
encontraram a luz que os fizeram despontar...

À ti devo as doces sensações,
de encontrar na saudade tão sentida,
a forma sem molduras de ilusões
o retornar e reviver a minha vida....

Eliana Shir Ellinger


Quem sou eu? Te digo...

Eliana Ellinger

Sou a brisa a soprar na tua praia,
o vento brando acariciando-te o rosto...
Voraz como um tornado, devassidão de teus prazeres,
dando à teus desejos todos os poderes !

Sou assim, uma garoa na tua madrugada,
pingos de chuva por tua terra aguardada...
Tempestuosa ao teu corpo me achegar,
sem que nada me impeça de amores te encantar !

Tenho das frutas sabores, o suave perfume das flores,
minha pele tão macia, como um néctar te inebria...
Sou teu pássaro cativo, de amor acorrentada,
da canção vibro os tons, acompanhando teus sons !

Sou o sol que te aquece, a lua que te adormece,
do teu céu o paraíso, quando em teu corpo deslizo...
Sou o amor, sou a saudade, sou a tua eternidade !

Sou eu tua ternura, sou tua jóia mais pura,
sou teu vinho saboroso, a cada gole de um gozo...
Sou como a primavera, tua mais bela estação !

Tu para mim és a vida, uma estrada colorida
que meu destino traçou... És os versos que componho,
és o meu mais doce sonho, és minha louca paixão !

Rio, 10/05/2004




SE ME QUISERES...



Sou a açucena dos vales,
na cor alva dos lírios,
beleza dos campos floridos,
perfumando alegre os ares.

Meu cheiro é de terra molhada,
depois da chuva caída,
fertilizando os palmares
de tua estrada seguida.

Sou o doce fruto das vinhas,
o suave murmúrio dos regatos,
correndo entre as matas virgens
espelhando os verdes matos.

Sou como a sombra amiga sob os ciprestes,
onde descansarás de tuas fadigas,
com a promessa eterna
que em teus sonhos, sem rogar, prossigas.

Sou como o sol nascente no horizonte,
a lua brilhante que surge ao anoitecer,
o bordado de estrelas que o céu pontilha
e o orvalho que filtra o amanhecer.

Sou da esperança a semente,
trazida em plena primavera,
alimentando o futuro
que não será mais quimera.

Assim eu sou, de amar eu vivo,
meu mundo é livre para teu plácido cultivo.
Se quiseres amizade verdadeira,
sincera, pura, cristalina...
Dá-me tua mão...
e serei de ti eterna companheira.

Eliana Shir Ellinger