SANGUE CIGANO...

Carmen Ortiz Cristal

 

Sou aquela que te procura em noite de lua cheia feito uma fera no cio!...

Amante caprichosa,  te quer  na cama ou na areia,

sobre lençóis de seda ou sob um céu de estrelas...

Não importa o lugar, importa é te amar até o sol raiar!...

Sou cigana, sou manhosa!...

Vem meu cigano!...

Vem saciar esta fome, esta sede de ti, me faz saber o que é ser mulher...

Me faz submissa, doma esta fera indomável com o jugo de teus beijos,

 o ardor de tuas carícias...

Deixe que o mundo saiba desta louca união,

para que saibam que sou tua e que tu és só meu...

Meu homem, meu dono, meu senhor!... Paixão de toda uma vida...

Mercenária do cais...

Sangue cigano!...

Escrava do amor...

 

Santo André

 

TAMBÉM MORRE-SE NA ALMA...
Carmen Ortiz Cristal
 
Não há lágrimas nem dor!...
Apenas uma imensa tristeza
Um nó na garganta,
Um querer e ter tanto a falar
Infelizmente impera a razão
Já não importa mais nada!...
Tudo é parte de um passado...
 
As lágrimas que chorei
As noites de insônia
Num leito vazio,
No peso da solidão,
Desejando tua presença,
Teus carinhos, teu beijo ardente,
Contigo, fazer amor com paixão,
 
Do sonho acalentado,
de juntos, rir e chorar, amar...
Brutalmente acordei!...
Hoje, nos reversos da vida,
Abatida no que tinha de melhor
O melhor de mim e era teu...
 
Desprezada, repudiada...
Afogada em tanta desilusão
De alma tão frágil, não resistiram,
Os sentimentos morreram...
Hoje sou um deserto sem oásis...
Não há mais nada em mim,
Nada mais importa!...
 
As lágrimas secaram...
A dor acabou...
Apenas a tristeza,
A tristeza de ter sido jogada
Empurrada friamente a outros braços
Como se fosse algo descartável,
Incomodo, que o bom mesmo,
Seria livrar-se do estorvo...
 
Rasgaste minhas vestes,
arrancaste meus pudores,
em palavras feriste de morte meu coração
deixando-me, nua diante da vida,
uma vida que tanto sonhei ser nossa...
Quanto engano!... Para ti não passei
de um fardo sem serventia!...
Quanta falta de sensibilidade!...
 
Mas não tem  nada não!...
Por tua vontade,
Aquela que tanto te amou,
Que por ti enfrentaria o mundo
Conquistaria o universo...
Já não mais existe
Em outro leito,
entre outros braços
Que não eram os teus,
Despediu-se da vida...
 
Por tua vontade
Tua incapacidade
De ver o que te era dado,
O amor mais puro que alguém já sentiu
Que como uma flor te ofereceu
A mais singela das flores, 
Meu amor por ti!...
Morreu... Acabou.
 
Santo André
SP-BR

POR UM DESEJO ARDENTE, VEM!...

Carmen Ortiz Cristal

 

Ouço!! Quanto é doce teu chamado!...

Doce apelo da tua ansiosa alma amante

Delicioso querer do coração apaixonado!...

Em nós como um rio escaldante...

 

Preciso acreditar ser plausível

Viver como nos contos de fada

Uma história de amor impossível

Realizando desejos na madrugada

 

Seguir contigo o rastro das estrelas

Fluentemente dando voz ao sentimento

Subjugados  pelo mesmo querer

No amor, amar em consentimento...

 

De ti, queres que eu veja e eu vejo!...

De mim, queres que eu sinta e eu sinto!...

Não me torture!... Sacia-me do teu beijo

És tudo o que mais quero, eu não minto

 

Deixe-me ser tua verdade, tua inspiração!

Loucuras reais para meu poeta amado

Encontro em versos de paixão, ser emoção...

Puro ou pecaminoso real amor desejado

 

Nas rimas do que sou não há limites vou além

Para nas entrelinhas fazer amor, ser melodia.

Ouço e respondo sem medos: Te espero, vem!...

Seja meu que serei tua!... Vida e poesia...

 

A natureza fala por nós,  nos aguarda,

Um dia pagaremos por nossas indecisões,

 

Não tarde!...

 

Santo André

SP-BR