BOM DIA!

(em versos monórrimos)

Humberto Rodrigues Neto



Mais um dia principia
cheio de amor e poesia,
num clima que contagia
a noss’alma de euforia,
e a jornada se inicia
no Pai Nosso e a Ave-Maria,
a Deus, que sempre nos guia,
e depois damos "bom-dia"
numa saudação cotia,
em linguagem correntia,
tanto ao gatinho que mia
quanto ao pássaro que pia;
ao sol que o planeta espia,
à bruma branca e erradia
que à brisa leve se esfia;
ao rio, ao lago, à baía,
ao Zé da dona Maria,
ao Juca, da barbearia,
ao pessoal da padaria,
ao padre na eucaristia,
ao neném que balbucia,
ao pai, à mãe e à titia,
gente que nos prestigia
com a sua cortesia,
tão plena de bonomia,
cheia de paz e harmonia,
isenta de antipatia,
porém rica de eupatia,
e que só nos delicia
com frases nas quais esfria
qualquer tristeza arredia
de alguma mágoa bravia
que tenhamos na alma fria,
dando aquela sintonia
de amor e de simpatia,
isentos de nostalgia
no labor de cada dia;
no tanque, ao micro ou na pia,
cultivando a apologia
de ver no céu a poesia
do sol que no alto vadia
e a todos nós alumia;
na brisa vã que cicia
nos vales, na penedia,
na relva fofa e macia
que recobre a serrania;
na nuvem que, fugidia,
seus fios de nimbo desfia;
da chuva na sinfonia,
que batuca e faz folia
nos zincos da freguesia;
na lua cigana e alvadia,
prateada e luzidia,
cuja luz nos extasia
do céu na estrelada via;
ah... como é boa a magia,
que gostosa é esta mania,
saborosa fantasia
de sentir a alma sadia,
livre de melancolia,
de tédio, de nostalgia
pela amizade cotia,
farta de paz e alegria,
na bela idiossincrasia
expressa na euforia
dos e-mails que me envia,
nessa luz que me irradia
tão seleta confraria!

A todos vós meu bom dia!

Arte e formatação: Jô Abreu
Música: Fascinação - André Rieu